2

BOLETIM 633


VIVENDO ACIMA DA MEDIOCRIDADE

Um levantamento recente feito pelo pesquisador George Barna, revelou que o caráter moral dos cristãos é, em média, apenas ligeiramente “melhor” que os não-cristãos. Por quê? Certamente existem muitas atividades religiosas organizadas por crentes na esperança de produzir “melhores” seguidores de Cristo. Paulo profetizou sobre algumas pessoas: (muitos) parecerão ser seguidores da nossa religião, mas com as ações negarão o verdadeiro poder dela... (2Tm 3:5).
Que tipo de cristão é você?
1 - Consumista. Está sempre pensando nas vantagens de ser cristãos. Suas orações são egoístas, “Deus me dê... Deus me abençoe... Esses pensam que o culto é para eles e não para Deus. Eles vem a igreja quando dá vontade, contribuem muito pouco, estão sempre procurando alguns cultos que parecem mais com “shows”, gostam muito de shows mas pouco de palavras como: “Compromisso, missões, sacrifício, leitura bíblica, oração, não faz parte do seu vocabulário.
Eles são consumidores de programas, não querem relacionamentos profundos no grupo familiar e alguns nem querem participar dos grupos familiares.
2 - Pragmático. Esses pensam na fé como algo que “funciona”, eles têm uma preferência pela teologia da prosperidade, “vou servir a Deus porque Ele tem tudo que eu preciso”, são como Jacó em Gn 28:20-22. Se sofrerem algo, se são acometidos de enfermidades, se algo sai errado, suas declarações são: “Eu não aceito isto”... Sofrimentos, perdas não estão incluídos em sua caminhada.
3 - Hedonista. Eles querem “sentir-se bem”, a fé para eles é para gerar prazer, alegria, e tudo é para serem “felizes”. O culto é para sentir arrepios, o pastor, o grupo familiar, etc, é para “servi-lo”. Eles são “o centro do universo”, vivem “olhando para o seu umbigo”. São individualistas, eles mudam de igreja com facilidade, se o louvor ali é melhor, então vai para lá. Eles são mundanos e gostam das coisas do mundo.
4 - Secularista. Esses estão na igreja, mas seus corações estão divididos, se o seu time vence, estão alegres, felizes, mas se perde estão cabisbaixos. Suas mentes não estão cheias da Escritura, seus instrumentos de análise são a psicologia, a sociologia e as teorias mais novas.
5 - Crítico. Esses se colocam acima do bem e do mal. Suas línguas são puro veneno, criticam a tudo e todos. Escrevem artigos longos e criticam a igreja, sua estrutura, valores, regras etc. O lema deles é “Jesus sim, igreja não”. Seus argumentos são sofismáticos. Suas palavras preferidas são: graça (leia-se não prestar contas a ninguém). Liberdade para fazer o que quiserem. Liberdade de qualquer compromisso com conselhos, presbitérios, disciplina. Suas vidas estão sempre envolvidas com licenciosidade.
6 - Liberal. Confessa a Jesus como salvador, mas não aceita muito essa ideia de Senhor. São liberais nas questões éticas: sexo, bebidas alcoólicas, roupas sensuais, etc). Só não são “liberais” em doar dinheiro para missões, ou para os pobres. Não são dizimistas fieis. A frase preferida deles é: “Não tem nada haver” ou “para vocês tudo é pecado”. Eles são mundanos e amam as coisas do mundo.
7- Cristão nominal. Aqueles que têm algum conteúdo, as vezes nasceram numa família cristã, mas ainda não experimentaram o novo nascimento. A igreja é um ponto de encontro para rever os amigos, parentes e para ter uma “terapia espiritual”. Com o tempo muitos se convertem.
8 - Cristão em crescimento. Alguém que se converteu de fato está lutando com a sua natureza. Tem real interesse pelas disciplinas espirituais: Oração, leitura e medição nas Escrituras, jejum, solicitude (estar a sós com Deus, não solidão), mas ainda são imaturos.
9 - Alguém interessado em Cristo, mas ainda calculando o custo de segui-lo. Esses estão atraídos por Jesus, mas estão avaliando o custo de segui-lo.
10 - Comprometido com a verdade, mas sem amor. Esses defendem a verdade com “unhas e dentes”, mas não evangelizam, suas vidas de oração são fracas, são capazes de em nome da verdade, destruir um irmão que pensa diferente. Esses não estão dispostos a fazerem sacrifícios para alcançarem os perdidos e até criticam certos esforços missionários. Entre eles estão os neo-puritanos. Eles vivem procurando a santidade, mas não gostam do serviço.
11- Comprometido com Jesus e Sua causa. Este é um verdadeiro discípulo, ele é comprometido com a verdade (sola scriptura) e com amor. Eles estão dispostos a servir a Deus, servir aos irmãos, servir aos perdidos. Provação, sofrimento, renúncia, sacrifício, obediência, oração, evangelismo, discipulado, família, guerra espiritual, amor, fé, esperança e contribuição são as palavras preferidas de seu vocabulário. Esses oram como Francisco de Assis: “quero amar... consolar....mais que ser consolado... Esses são o prazer de Deus, os soldados de Jesus.
Os discípulos amam a Deus e o servem com fervor, amam sua Palavra e procuram saber: “Qual a vontade do Senhor”. Sua oração é: “Santificado seja o teu nome... Venha o teu reino... faça-se a tua vontade”... . Quando eles ouvem o Sermão do Monte, eles pensam: Oh Senhor, me ajude!
Os discípulos ouvem as palavras de Jesus e procuram praticá-las, conforme Lucas 6:32-36.
No Brasil as igrejas evangélicas estão cheias de gente, mas algumas estão cheias de pecados, porque os consumistas, pragmáticos, hedonistas, secularistas, liberais estão se multiplicando.
Que Deus levante muitos discípulos em nossas igrejas.
Eles são o povo mais feliz da terra, são “os macarianos” de Mateus 5:1-12 e Lucas 6:20-23. Seja um “macariano”, tome a sua cruz e siga a Jesus, morra cada dia para você mesmo, e viva para Deus, viva acima da mediocridade e para agradar Aquele que te criou e morreu por ti e quer passar a eternidade contigo.

Pr. José João Mesquita
Publicado no Boletim 633 de 08/Mar/2009